Pitacos Musicais: Resenha de “Lightning Bolt”, do Pearl Jam

Anos 1990, grunge em alta e o Pearl Jam movendo multidões, com fãs do estilo discutindo até hoje quem foi melhor: a banda de Eddie Vedder e suas melodias mais calmas, ou a gritaria febril de Kurt Cobain com o Nirvana. A minha opinião, todo mundo já sabe, sou Nirvana até o osso, mas não deixo de ver o poder e a influência que o Pearl Jam teve naquela época.

Porém, “o grunge morreu”. Mas o Pearl Jam continuou. Sem a mesma força internacional, mudando um pouco seu estilo. Mas duraram e em 2013 lançaram Lightning Bolt, que pode não ser grunge, mas ainda é relativamente bom.

Imagem

Capa de “Lightning Bolt”: Pearl Jam faz o serviço, mas escorrega na indecisão

Diferente do que o Fall Out Boy fez em Save Rock & Roll, o Pearl Jam se adaptou, mas sem mudar suas origens. A prova disso já surge direto com a abertura “Getaway”, um hard rock daqueles de balançar a cabeça o tempo inteiro, mas ainda se afasta um pouco daquela banda de sucesso da cena musical de Seattle.

“Mind Your Manners”, sim, é pesada. Numa mistura de metal com grunge, a canção não deixa dúvidas que o Pearl Jam não gosta de se afastar das raízes, também comprovado em “My Father’s Son”, música que poderia facilmente estar em Ten, disco de estreia da banda.

Com uma aura um pouco triste, “Sirens” entedia um pouco, apesar da bela melodia, muito prejudicada pelo retorno da mania de gemer de Vedder. Não é uma música ruim, mas poderia facilmente ser encaixada num disco do Nickelback ou do Creed. Já a faixa título se mostra um dos grandes méritos do disco, com uma agitação extremamente cativante e bem apegada à melodia de todos os instrumentos.

Muito mais tranquila, “Infallible” pode entediar um pouco e é, ironicamente, a grande falha do disco (ai, que trocadilho bonito!) ao lado da incompreensível “Pendulum”. Já “Swallowed Whole” começa a grande virada real do disco e traz a energia de volta a Lightning Bolt.

Com o selo Nico Garófalo de Melhor Faixa do Disco, “Let The Records Play” é um gostoso e balançante blues que faz sua cabeça chacoalhar do começo ao fim. “Sleeping By Myself” diminui o volume das guitarras para dar espaço à conhecida capacidade melódica do Pearl Jam, mas mostra uma certa indecisão.

“Yellow Moon” e “Future Day” continuam num fade-out pro disco, mas mais uma vez escorregam na indecisão da banda entre o hard e o melódico, terminando para baixo um disco que começou explodindo.

Lightning Bolt começa muito bem, mas o Pearl Jam parece não conseguir mais a mistura do grunge-melódico que os deixou famosos, salvo algumas excessões. O disco ainda é bom, mas poderia ter sido melhor. Porém, outra vez, a indecisão bateu de frente com a capacidade musical dos artistas.

Valeu, gente! Beijão e até mais!!

Artista: Pearl Jam

Disco: Lightning Bolt

Melhor música: “Let The Records Play”

Nota: 7,5/10,0

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s