Inauguração do Museu – Napoleão no Egito

     “Soldados! De lá de cima quarenta séculos vos contemplam!”  Foi a frase que Napoleão Bonaparte proferiu para encorajar seus trinta e oito mil soldados assim que avistou o Cairo a sua frente, uma visão das Mil e Uma noites, lá se erguiam construções colossais, frias, e imponentes – As pirâmides de Gizé, geometria feita de pedra, eternidade silenciosa, testemunhos de um mundo que já era morto quando o Islã ainda não nascera. Porém, ainda havia um obstáculo a ser passado, o exército dos mamelucos, dez mil cavaleiros de destreza aparatosa, comandados por Murad com vinte e três de seus beis, montado em um ginete branco como um cisne, com seu turbante verde. Napoleão apontou para as pirâmides e disse tal frase, que ficou marcada na história. “O choque foi tremendo, não venceu o entusiasmo dos orientais, venceram os quadrados das baionetas europeias. O combate transformou-se em carnificina.” 

Quando partiu para o Egito em 19 de Maio de 1798, Napoleão levou consigo uma esquadra de trezentos e vinte e oito navios, com um exército de trinta e oito mil homens a bordo, porém no ponto de vista militar foi uma expedição mal sucedida, mas do ponto de vista da arte, da história e da arqueologia, foi um grande sucesso.

Entre os homens que partiram com Bonaparte ao Egito, estavam cento e setenta e cinco sábios, especializados em diversos ramos da ciência, porém um nos interessa mais : Dominique Vivant Denon.

Enquanto Napoleão conquistava o Egito com baionetas, no espaço de um ano apenas Denon conquistava a terra dos faraós com o lápis, preservando-a para uma nova eternidade e colocando-a de um golpe diante de nossa consciência” 

Em 1801 a França depois de muita resistência, teve de entregar à Inglaterra todas as antiguidades Egípcias conquistadas por Bonaparte, por um momento, pareceu que tudo aquilo que deveria ser mérito francês foi inutilizado, e que todo tempo que havia sido aplicado para conseguir tudo aquilo foi um completo desperdício. Porém, graças a Denon, nenhuma peça havia sido deixada por copiar, e foi entre 1809 e 1813 que Denon publicou a obra considerada a fundadora de Egiptologia : Description de l’Egypte.

Outro fato importante para o qual a expedição de Napoleão exerceu uma grande influência foi para a decifração da escrita egípcia, os chamados Hieroglifos. Graças a uma estela de basalto negro polido, com uma inscrição em três escritas diferentes, encontrada, conhecida como a famosa ” Pedra de Roseta ” nada mais nada menos do que a chave para todos os mistérios do Egito.

A Pedra de Roseta continha uma inscrição em três tipos de escritas diferentes, as quais eram em Grego, Demótico e em Hieroglifos. Foi Champollion que efetuou a decifração partindo inicialmente da escrita Grega para as demais, ele concluiu uma promessa que havia feito a seu irmão anos mais cedo, de que seria ele quem decifraria os hieroglifos.

Isso é apenas a ponta do iceberg dessa história, não me aprofundei muito pois como não escrevo a um bom tempo não queria deixar ninguém sobrecarregado, mas qualquer dúvida que vocês tiverem, ou se quiserem saber mais sobre tudo isso, deixem um comentário afirmando, que eu farei o possível para esclarecer mais sobre o assunto.

E é isso ai, tenham uma boa semana :3

Anúncios